Entre em contato conosco

Estamos sempre a sua disposição para tirar as suas dúvidas e ajudá-lo a planejar suas férias!

O Brasil foi descoberto no RN?

Uma série de fatos pesquisados por historiadores indicam que certamente o Brasil foi descoberto no RN e não no sul da Bahia.

Um pesquisador de nome Lenine Pinto, professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte demonstra uma série de fatos e dados reais bastante curiosos, a serem contestados na história oficial do descobrimento do Brasil.

Segundo ele, baseado nestas informações o Brasil não foi descoberto em Porto Seguro na Bahia, mas no Rio Grande do Norte, mais precisamente na Praia do Marco, São Miguel do Gostoso.

A professora-doutora Rosana Mazaro, do Departamento de Turismo da UFRN, tem dado o suporte teórico à empreitada. Ela é também velejadora e une conhecimentos científicos e práticos para embasar cinco evidências para provar que o Brasil começou pelo RN. 

Evidências

“A primeira é pelas correntes marítimas que direcionariam as caravelas naturalmente ao RN. Há uma dificuldade imensa para se chegar da Europa à Bahia e, em contraponto, facilidade para o RN. Há navegadores, sem exagero, que vão até Dakar (na África) para se aproximar do Brasil tamanho a força das correntes”.

A segunda evidência apontada pela professora é o monte avistado pelos portugueses ser o Pico do Cabugi, na região central do RN. Pescadores nativos até hoje tomam o Pico como referência para voltar à terra. Enquanto o Monte Pascal, na Bahia, sequer é um “monte”, mas uma torre, cortada e sem “pico”. 

A terceira seria a presença de “aguada” no litoral, conforme consta na carta do descobrimento. Aguada seria água doce, presente nas proximidades do Marco de Touros e inexistente em Porto Seguro, na Bahia.

A penúltima evidência seria o Marco de Touros, diferente do fincado na Bahia. O daqui é esculpido com símbolos e brasões semelhantes ao marco chantado no município de Cananéia, em São Paulo, que seria o segundo marco português no Brasil.

Por último, o argumento mais evidente apontado pelos estudiosos: consta no mapa português que eles navegaram duas mil léguas ao Sul do país para fincar o segundo marco. Essa distância corresponde exatamente o percurso do Estado potiguar a São Paulo. Caso partisse da Bahia, o segundo marco estaria fincado na Argentina.

O primeiro marco, o monumento mais antigo do Brasil, foi "chantado" (ou instalado) no RN. Chama-se "Marco de Touros", fincado em 1500 na praia de Touros. Hoje ele se encontra no Forte dos Reis Magos, em Natal. Segundo a história oficial, Cabral descobriu o Brasil em Porto Seguro e, em uma expedição seguinte em 1501, Américo Vespúcio chantou o marco em Touros-RN, oficializando a descoberta do Brasil. Mas a teoria de Lenine é diferente: os marcos, instalados em terras descobertas, eram, na época, uma providência privativa do capitão-mor e das esquadras patrocinadas pela ordem de Cristo. A expedição de Vespúcio era uma expedição comercial e particular, e não oficial de Portugal. Portanto, o marco teria sido na verdade, fincado por Cabral em sua primeira investida ao Brasil. 

Cabral fez, 8 anos depois do descobrimento, uma carta ao Rei de Portugal chamada "Carta de Arrependimento ao Rei". Nela, ele informa a instalação do marco - o padrão do descobrimento - no seguinte trecho: "cumpri as instruções de vossa majestade, viajei para o ocidente e tomei posse com o padrão da terra de vossa majestade, que os antigos chamavam de Brandão ou de Brasil". Esta carta é citada também por Assis Cintra. Walter Galvanni, que fez a biografia de Cabral, também cita esta carta. Vejam que a carta confirma que Cabral já sabia seu destino, o Brasil.

Vamos a algumas datas: em 1443, o navegador Sancho Brandão teria chegado ao Brasil (daí o nome ilha do Brandão, incluída nos mapas a partir dele). Em 1487, Pero Vaz da Cunha avistou terras já identificadas em 1448 por Andrea Bianco, como terra firme a "1500 milhas a poente", de onde se chega ao litoral do RN. A partir dele, muita gente passou pelo Brasil. Duarte Pacheco e Cristóvão Colombo, em 1498; Bartolomeu Dias e Vasco da Gama; um ano antes de Cabral ainda Alonzo de Ojeda, Juan de la Cosa e Américo Vespúcio; em janeiro de 1500, Vincente Pinzon, e em fevereiro Diego de Lepe. Se o Rei mandou Cabral fazer a descoberta oficial (tanto que vieram mais de 10 naus), o capitão teria que parar em um ponto conhecido. 

Em 1501, o rei D. Manoel manda o navegador João de Nova em fevereiro (ou março) para seguir o trajeto feito por Cabral, no mesmo período, 30 dias (na verdade, Cabral perdeu 2 dias, segundo sua carta de bordo, com algumas tragédias, onde perderam 3 ou 4 naus, do total de 14 que saíram de Portugal; portanto a viagem normal duraria 28 dias) entre Portugal e Brasil. Ele percorreu o mesmo trajeto, passou pelo Cabo Verde no mesmo período, e chegou no Brasil em 28 dias aonde? Em Touros-RN, na Ponta do Calcanhar. Também, Cabral saiu de Cabo Verde em 20 de marco, e chegou a Vera Cruz em torno de 20 de abril. Como Cabral conseguiria fazer, nesse mesmo tempo mais 800 milhas até o sul da Bahia? Cabral saiu de Portugal em 9 de março e passou por Cabo Verde a 22. Um mês depois, poderia chegar ao RN, de acordo com as cartas náuticas; para chegar ao sul da Bahia, só lá pelo dia 10 de maio. 

A ponta do calcanhar em Touros também foi e ainda é, confirmado pelos americanos na segunda grande guerra, o ponto mais próximo da América ao continente europeu. Tanto que foi em Natal a base aérea americana da 2º guerra. Também, conforme informado em cartas náuticas e pesquisadores americanos da 2º guerra, as correntes marítimas e o vento, os quais trouxeram os navios portugueses para o Brasil, levariam estas naus para a região extrema do nordeste, onde se encontra o RN, e não para o sul da Bahia. 

Tratemos de divulgar isso pelo bem da história correta do nosso Brasil.

Fontes>http://www.rn.gov.br/Conteudo.asp?TRAN=ITEM&TARG=136385&ACT=null&PAGE=null&PARM=null&LBL=Reportagens / http://blogln.ning.com/forum/topics/o-brasil-foi-descoberto-no-rio-grande-do-norte / https://curiozzzo.com/2014/11/11/a-tese-de-que-o-brasil-foi-descoberto-no-rio-grande-do-norte-e-nao-na-bahia/